20080226

A ministra só

A ministra está só, já ninguém se coloca ao seu lado na defesa das suas desmedidas medidas. No caso da avaliação dos professores, ao mesmo tempo que a sua equipa se atirava em exigências de prazos e procedimentos às escolas, vacilava porque não conseguia, ela própria, reunir um conjunto de personalidades que desse corpo ao Conselho Científico da Avaliação. A razão só pode ter sido uma: nenhum especialista está disponível para fazer parte desse conselho. Porque será?!
Ontem confirmou-se essa solidão. O programa da RTP, Prós e Contras, é por muitos referido como o Prós e Prós. Já farto do descaramento da jornalista que, em quase todos os assuntos, toma partido e, em quase todos os programas, convida quem melhor serve os seus intentos de opinião, estava para não ver o programa quando me apercebi que, ontem, ia ser diferente e que a sua habilidade de manipulação iria ser posta à prova.
Perante os factos, que revelaram a excepção, podemos retirar uma conclusão: a direcção do programa não conseguiu arranjar ninguém que alinhasse com as teses da ministra e da sua amiga jornalista! Devem ter tentado mas não encontraram ninguém, provavelmente ainda pensaram na hipótese de pôr no painel os secretários de estado e alguns funcionários do ministério mas seria demais.
A ministra está só!

2 comentários:

ruy disse...

Concordo em absoluto, como alguém ontem disse, a ministra conseguiu unir os professores como antes não se tinha conseguido. A manter-se no poder, com mais Prós e prós como o de ontem ela acabará por unir não apenas os professores mas todos os trabalhadores deste país. O meu total apoio à luta dos professores.

Num país democrático, será condição necessária para o êxito de implantação de “reformas” aos serviços da Administração do Estado, o esclarecimento, o diálogo, com os profissionais do sector da aplicação da reforma, de modo a chegar-se a um compromisso entre as partes. Porque se entende e bem, que será imprescindível o apoio maioritário dos trabalhadores para o sucesso de qualquer reforma. A vivência democrática será isso mesmo – o permanente diálogo social.

Esta, uma das razões porque em Democracia as forças profissionais se encontra legalmente organizadas. Só em regimes totalitários as reformas promulgadas não são discutidas com os profissionais do sector. Aqui, a força obrigará os trabalhadores ao seu cumprimento.

O modo como este governo pretende implantar as “reformas” da Educação, pela força e não pela razão e diálogo, irá seguramente condená-las ao fracasso. Sem a força dos regimes totalitários, (ainda que se recorra a processos de intimidação usuais em regimes não democráticos como foi o caso da identificação pela policia dos professores que falaram para a comunicação social recentemente no Porto), não será possível levar por diante um qualquer processo de reforma contrária à vontade da esmagadora maioria dos profissionais como é agora o caso dos professores.
O governo de Sócrates, governo de um País com uma Constituição Democrática, pretende o impossível – governar e aplicar reformas do mesmo modo e usando iguais métodos dos regimes totalitários. É uma contradição impossível de ultrapassar, que só a pobreza ideológica de Sócrates não vê.
Por mais Prós e Contras ou por mais entrevistas dadas pela ministra da Educação, cada vez é mais óbvio o fracasso desta politica do “quero, posso e mando”.

Ana C. disse...

Ontem, no CE duma escola, a propósito do programa prós e contras, numa conversa ouvida sem intenção de o fazer.. As personagens são a "belinhóbelix", o "Kocó temos que fazer porque sou lambe botas" e "Kacá boa já apanhei um tacho e nem sei como...":

- Ah! e ontem? aquilo não dignificou nada os professores. Deixaram ficar muito mal vista a classe dos professores.(belinhóbelix)
- E já reparaste k só são professores do norte? Isto é estranho.(Káca já apanhei um tacho e nem sei como...)
- Não havia lá ninguém dos conselhos executivos. Esses é que sabem bem porque estão no terreno.(Kocó temos que fazer porque sou lambe botas)

"Palavras para quê? São professores portugueses contaminados pelo vírus da partidarite, do dogmatismo e...,acima de tudo, da estupidez."

Infelizmento para todos aqueles que se recusam a fechar as portas do cérebro " Vemos, ouvimos e lemos, não podemos ignorar...
realmente, já dizia Pessoa que a inconsciência é o caminho para a felicidade...

Qualquer semelhança entre este texto e a realidade não é mera coincidência!!!