20080614

ESCLARECEDOR OU TALVEZ NÃO...

"O parto decorreu normalmente e o Zezito nasceu bem. Eram dez e meia da noite de uma sexta-feira, 6 de Setembro de 1957. Fernando e Adelaide não formalizaram o nascimento do rapaz ali, na freguesia de Miragaia. Esperaram pelo regresso a Trás-os-Montes para registar o bebé como natural da freguesia de Vilar de Maçada, no concelho de Alijó, distrito de Vila Real, com o nome de José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa. «José Sócrates foi o nome por mim escolhido», esclarece o pai, «e com o que a minha ex-mulher esteve de acordo. José, nome de meu pai. Sócrates, apesar de não ter nenhuma raiz familiar, foi ideia minha por me vir à lembrança o filósofo grego por quem nutria alguma admiração através da leitura de testemunhos que a figura deste filósofo representa de racionalidade e humanismo. Ainda houve alguma objecção por parte do conservador do registo civil na aceitação do nome, por não ser usual, mas que foi superada."

Pode ler-se aqui

E este é o início da biografia não autorizada de José Sócrates, escrita pela jornalista Eduarda Maio, a quem o "biografado" concedeu uma entrevista.

Estas linhas levam-me a reflectir em dois pontos:

1º Percebo perfeitamente porque os progenitores do "Zézito" esperaram para o resgistarem em Vilar de MAÇADA... (algo de profético terá iluminado aquelas mentes!)

2º Já não me ocorre alguma lógica na escolha do nome "Sócrates". Se não vinha de família, que ideia foi aquela de "racionalidade e humanismo"?

2 comentários:

Anónimo disse...

E também se percebe a génese da raiva aos professores... Édipo!

Moriae disse...

anónimo, vá pescar cretinos ... dá para ver que lhe está no sangue.