20080716

EM MEMÓRIA DE TANTOS OUTROS

NOTA: Pensei muito antes de colocar aqui este post. Resolvi postá-lo.
O assunto é sério e as palavras serão sérias.
Apesar de, muitas vezes, quase sempre, jogar com um tom sarcástico, nem uma única sílaba raiará tal tom. Não gosto de humor negro, principalmente quando o assunto é grave e envolve saúde.

Tem sido notícia a doença pulmonar de António Sousa, irmão de José Sócrates, que o levou de urgência para o Complexo Hospital Universitário Juan Canalejo, na Corunha, Espanha, onde recebeu um pulmão compatível, que foi de Portugal.
A fase pós-operatória foi complicada, mas o doente está a reagir bem.

Notícias relacionadas 3 de Julho , 8 de Julho, 10 de Julho
Informação sobre transplante de pulmão LER
Imagem daqui

Porquê esta notícia, agora, aqui?
Para lembrar que:
- Situações destas não escolhem alvo e todos nós somos alvo fácil;
- Estamos num país sem capacidade de resposta para os problemas de saúde;
- Estamos num país onde se fecham centros de saúde e hospitais (um contrasenso, visto o país estar a envelhecer...);
- As leis de trabalho actuais (ou que se pretendem fazer aprovar) não são contemplativas face a casos destes;
- Muitas pessoas não têm capacidade económica para fazer frente a siuações de doença grave.
- Muitos pais de crianças com doenças oncológicas ou outras são obrigados a despedir-se para poderem acompanhar os filhos;
- Muitas pessoas acabam por "morrer a trabalhar", sem que lhes tenham sido dadas as mínimas condições de dignidade.
A lista poderia continuar, mas termina aqui. Aliás, não chega já?

A dor é universal. Normalmente, só nos lembramos dela quando nos dói.
Haja memória (como se pode ver neste blog):

Artur Silva
Manuela Estanqueiro
Maria Cândida Pereira

E haja memória de todos os outros que morreram (ou viram morrer entes queridos sem lhes poderem prestar mais cuidados) e cujos nomes não aparecem aqui.

Desejo, sinceramente, as melhoras de António Sousa. Estou em solidariedade, no que a este assunto diz respeito, com José Sócrates. Não tenho uma pedra no peito. Talvez também por isso nunca chegasse a política.

1 comentário:

Moriae disse...

É assim mesmo Hurtiga! Sem mais a dizer ... Está tudo aí...
Contigo, solidária,
M.