20080719

O PROBLEMA NÃO É SÓ UMA QUESTÃO DE CIFRÕES

Imagem daqui

"Os imigrantes licenciados têm que pagar, em média, dois mil euros para ver a sua formação reconhecida em Portugal."


Ler notícia DN Online


Comentário:
Os imigrantes, em Portugal, são aceites, mas no seu cantinho.
Ninguém já estranha ver caboverdianos nas obras.
Ninguém torce o nariz ao facto de ser atendido num restaurante por um brasileiro.
Mas que acontece se formos ao hospital e o médico for ucraniano?

Quanto à minha experiência pessoal, todos os anos agradeço aos meus alunos estrangeiros (a quem presto apoio) o facto de existirem e de terem existido comigo. A capacidade de adaptação é inigualável e a perseverança deles irrepreensível.


Neste país paupérrimo sob todos os aspectos, continuamos a ter uma visão colonialista. Ainda não nos apercebemos de que somos uma colónia...

2 comentários:

Moriae disse...

É verdade ... que país de m**...
Sem nada a acrescentar ...
Bjo,
M.

Luta Social disse...

Este país é tão dependente, que exporta as suas verdadeiras elites (jovens com elevada capacidade técnica e profissional) mas não reconhece aos outros as competências que adquiriram nos países de origem.
É tão atrasado porque os empresários são na sua imensa maioria pessoas boçais, sem formação e sem que a experiência da vida lhes abrisse um pouco a visão do seu papel social. Eles mantêm a juventude, geralmente mais qualificada profissionalmente do que eles próprios, a recibo verde ou contrato precário, sem lhes dar uma base mínima de estabilidade. Toda a classe política, do PP ao BE tem sido conivente deste escândalo e tem beneficiado colocando os seus peões aos vários níveis do aparelho de estado. Por isso, o Estado se transformou no maior «cliente» de trabalho ilegal e não tem (nem quer tem) estofo para combater eficazmente os recibos verdes ilegais.
Manuel Baptista