20081031

15 DE NOVEMBRO: ESTÃO A OUVIR, OU É PRECISO GRITAR MAIS ALTO?...


(Cinco fósforos incendiários, no "Arrebenta-SOL", no "A Sinistra Ministra", no "Democracia em Portugal", no "KLANDESTINO", e em "The Braganza Mothers")

5 comentários:

Pedro Castro disse...

Estaremos a 15, já percebi...
Vê e-mail.

professora disse...

Claro que é preciso gritar mais, MUITO MAIS ALTO. É necessário fazer chegar este grito às escolas de todo o país. Há muitas onde a informação que chegou está completamente deturpada. a leitra que fazem do dia 15 é a de uma manifestação mafiosa convocada com intenções escusas. Em escolas da Guarda, a minha cidade, a organização está a ser feita para dia 8. Tiveram uma sessão de esclarecimento por parte de delegados sindicais e desconfiam de 15. Por SMS, por mail, ou de outra forma qualquer, é preciso chegar a toda a gente.

Anónimo disse...

Lendo a notícia abaixo*, especialmente o seu último parágrafo, veio-me de novo à ideia um pensamento que havia tido há alguns dias. O ME e toda a profissão estão num braço de ferro. O braço de ferro não é entre professores inscritos nos sindicatos e professores não sindicalizados: isso é o que os nossos inimigos (e traidores) desejam.O braço de ferro é entre professores, pais de alunos, alunos, cidadania em geral, por um lado... e o ministério e o governo, por outro. Por isso, seria bom que se mantivessem as duas convocatórias, com os movimentos a apelarem à adesão à manif de dia 8 visto que a Plataforma sindical já fez um pedido ao ministério de suspensão da avaliação de desempenho. Se não houver uma dispoição negocial do ME, pode então avançar-se com uma segunda manif seguida de greve geral rotativa, para não esgotar as finanças depauperados dos docentes, mas causando desgaste político irremediável ao governo mais autocrático do portugal pós 25A. Temos de começar a equacionar a greve geral, visto as características do «jogo» deste governo (= a imposição pura e simples; o simulacro apenas de negociação e apenas para ter as mãos livres para fazer depois o que lhe apetecer...). Solidariedade,Manuel Baptista *http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1348183&idCanal=58Nem Mário Nogueira nem Mário Machaqueiro, da APED, divulgaram o que divide as várias organizações, que mantêm a negociação em aberto. Mas, ontem, já se previa que o acordo fosse difícil. Em declarações à agência Lusa, os representantes dos movimentos não sindicais de professores — que convocaram uma manifestação para dia 15 — classificavam como “essencial”, para uma aproximação, a denúncia do memorando de entendimento estabelecido entre a plataforma sindical e o Ministério da Educação. E o secretário-geral da Fenprof excluía, “em absoluto”, a possibilidade de tal acontecer, argumentando que o documento em causa “veio defender os interesses dos 140 mil professores” portugueses.

Ondina Paiva disse...

Quanto mais eles te maltratam (um homem só é invejado quando tem uma alma superior) mais tu te elevas...Parabéns Mário Nogueira!
A tua nobreza é agora muito maior!!!
Somos muitos, muitos mil... os que sabem do TEU VALOR!
Ondina Paiva

Hurtiga disse...

Mas que raio terá o homem dado a beber a esta gente? É Deus no céu e o Nogueira na terra...
Ganhem mas é um pingo de consciência e admitam de uma vez por todas que ultimamente só têm feito *****!