20081110

DENUNCIAR O MEMORANDO



Imagem do Kaos


Movimentos de professores mantêm manifestação para sábado

"Dois movimentos de professores mantêm a convocatória de uma manifestação para Sábado, em Lisboa, contra o processo de avaliação e pela necessidade de pôr fim ao memorando de entendimento assinado pela Plataforma Sindical com o Ministério da Educação.
Em comunicado hoje divulgado, a Associação de Professores e Educadores em Defesa do Ensino (APEDE) diz que a manifestação, que será também organizada pelo Movimento Mobilização e Unidade dos Professores (MUP), ganhou uma "legitimidade acrescida" depois da ministra da Educação ter reagido à manifestação de sábado [organizada pelos sindicatos e que, segundo os organizadores, juntou cerca de 120 mil docentes] como se fosse um pormenor irrelevante"."A manifestação do dia 15 de Novembro, iniciativa que surgiu no seio dos professores (...) ganhou hoje uma legitimidade acrescida. Quando a Ministra da Educação reage ao enorme protesto que os professores fizeram hoje desfilar nas ruas de Lisboa como se 120 mil docentes em luta fosse um pormenor irrelevante, mostra que a nossa contestação não pode parar a 08 de Novembro", refere o comunicado, escrito sábado mas divulgado hoje.Estas duas estruturas referem também que os movimentos independentes de professores "têm razão quando exigem da Plataforma Sindical a denúncia do memorando de entendimento que assinaram com o Ministério da Educação", "esse documento que a ministra continua a esgrimir para condicionar os sindicatos e a própria luta dos professores".APEDE e MUP defendem uma "ruptura clara" com o acordo, considerando este outro "motivo fortíssimo para os professores regressarem às ruas de Lisboa no próximo Sábado".Na opinião das duas estruturas, "o combate dos professores, no momento político que hoje se vive em Portugal, já não é apenas uma luta centrada nos alvos já conhecidos (...) é hoje também uma luta contra o autoritarismo que se apropriou das formas de governação, ao reduzir os cidadãos a executores passivos de políticas que eles mesmos não aceitam".

1 comentário:

JLS disse...

Seriously, andaram meses e meses, até Abril a recusarem-se a sentar à mesa das negociações. Em Abril obtiveram um acordo, no qual, para além de disposições transitórias para lidar com situações especiais, se comprometeram (os sindicatos, claro), tacitamente, a conduzir o regime da avaliação da melhor forma possível, para quem em Junho/Julho de 2009 o pudessem avaliar e aí proceder a alterações e modificações. Em suma, nova ronda de negociações, com um alcance bastante profundo.

Acordaram tudo isso. Cessaram novamente as negociações. Depois quebraram por completo o acordo. Ainda recentemente, a ministra apercebeu-se que para se obter dados fidedignos para as colocações, um ano de avaliações não chegava. Enfim, seria uma conclusão a que chegariam facilmente se estivessem sentados à mesa, no "due process" das negociações, à qual os professores e os sindicatos têm direito, mas sistematicamente recusam, vá-se lá saber porquê (eu cá suspeito que são ordens superiores, do PCP e da CGTP).

E vêm agora propor o rompimento completo do acordo? A ministra pode estar - e está - a lidar muito mal politicamente com esta situação, mas a sério, que credibilidade é que vocês, sindicatos e professores, pretendem atingir? A teimosia e birrice dos sindicatos não fica nada atrás da da Ministra. Aliás, em certos aspectos, vai muito mais longe... Se levarmos em consideração que em várias décadas, os sindicatos jamais se preocuparam com a questão da avaliação. Avaliação que é um *direito* do professor/funcionário público. Muito boa representação, by the way. Os professores devem estar radiantes com este sindicato... e este sindicalista que faz manifestações, propõe greves, mas não negoceia.

Há uma expressão muito bonita em inglês para isto:

Shoot first, ask questions later, qual cowboyada...