20081110

UM TESTEMUNHO

"Estive entre os mais de 120000 professores. Não sinto felicidade absolutamente nenhuma. Não acompanhei os colegas da minha escola, revoltou-me ver algumas pessoas a agarrarem a faixa da NOSSA escola. Subi a avenida com duas amigas, no meio de milhares de pessoas. Muita gente em silêncio, muitos rostos cansados e tristes, os animadores dos sindicatos a esforçarem-se, música revolucionária" e folclórica de quando em vez.

De repente há uma pessoa que se dirige a mim vindo do passeio: recebo um forte abraço de um ex-colega, já reformado, e emociono-me. Continuo a subir a avenida e são cada vez mais milhares. Chego ao Marquês onde, de um palanque apinhado, gritavam palavras de ordem que quase ninguém repetia.

Pediu-se um minuto de silêncio e foi o silêncio mais ensurdecedor e emocionante que já ouvi.

Voltam as vozes a esforçarem-se em slogans completamente inócuos e inúteis. Pede-se silêncio para a leitura da moção. Pelo meio, já se sabia da entrevista da ME, às 17h, a dizer que a avaliação continuava. Nada de novo, o autismo do costume. Lê-se a moção. Nada de novo: pede-se aos professores para fazerem aquilo que já tantos têm vindo a fazer, pedir a suspensão do processo das escolas. Mandam-se umas datas para o ar para manifestações regionais em Novembro, dizem que vão pedir a suspensão e que vão pedir uma não sei quê mais justa e outra não sei que mais... Falam e nada dizem. Entretanto vão chegando ao Marquês mais bandeiras de sindicatos, ainda há professores no Rossio. Terminam com a marcação de uma greve para 19 de JANEIRO e a dizer que depois também vão organizar uma grande manifestação com funcionários, pais, alunos...

Pedem a aprovação da moção. Há bandeiras no ar a a moção é aprovada "por todos os professores e educadores presentes".

Venho-me embora quando o Mário Nogueira começa mais uma ronda de discursos.

Chego a casa e leio na net:

08 de Novembro de 2008, 18:32
Lisboa, 08 Nov (Lusa) - Cerca de 120 mil professores, 85 por cento da classe, aprovaram hoje por unanimidade a realização de uma greve nacional a 19 de Janeiro, caso o Ministério da Educação não suspenda o processo de avaliação de desempenho.(http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/bcf1501879ed45fdc72033.html )
Ligo a televisão e, no meio das entrevistas, oiço uma colega a dizer : "eu sempre quis ser professora, desde os 3 anos... E só quero que me deixem ensinar". E as lágrimas escorrem-lhe dos olhos. E penso que aquela professora sou eu e somos tantos...
Sinto-me triste e vou desistir um bocadinho... segunda feira lá estarei, pronta para todas as batalhas.
Ana
P.S. Eu estive lá e NÃO APROVEI a moção que foi lida."
(Recebido por mail)

1 comentário:

Margarida disse...

Contigo ... Abraço e até sábado.
M.