20090423

Bronquidão aguda

"O Ministério da Educação acredita que, com o alargamento da escolaridade mínima obrigatória até ao 12ª ano, entrem mais 30 mil alunos nas escolas portuguesas. Porém, Maria de Lurdes Rodrigues assegura que não é preciso contratar mais professores." (TSF | Hoje às 19:50)

5 comentários:

profpardal disse...

Não será preciso contratar, basta dar horas extras a todos os colegas, ou então mudar o número de horas de trabalho semanais.

Já agora, podem também recorrer às prestações de serviço!

Se eles tivessem filhos professores em início de carreira, tenho a certeza que as coisas seriam bastante diferentes!

Anónimo disse...

A ministra e toda a sua equipa pensam que não é necessário mais professores. Para surpresa de muita gente, devo dizer que eles estão cheios de razão!
Explico:
A entrada de 30 000 novos alunos no ensino secundário, fará rebentar pelas costuras este nível de ensino. As turmas actuais já estão repletas de jovens (estou a leccionar uma turma de 30 alunos no 12º ano, coisa que nunca me aconteceu em 30 anos de carreira!). Aquilo que vai acontecer é que haverá uma debandada geral dos filhos daqueles que têm ainda algum poder de compra, a chamada «classe média», que irão para os colégios privados. Estes colégios, devido à crise geral deste país, apesar dos incentivos governamentais enormes e a vários níveis, não conseguem rentabilizar-se. A classe média alta é demasiado pequena neste país. O ensino público todo vai estar exclusivamente dedicado ao ensino dos «pobrezinhos» e o ensino privado vai prosperar, nem que seja com generosos incentivos e exonerações fiscais, quer aos pais, quer aos próprios colégios.
É que esta equipa ministerial é, de todas as que por lá passaram, a mais favorável ao ensino privado.
Segundo o dogma neo-liberal que este governo segue à risca, o ensino público tem um papel supletivo, ou seja apenas irá abranger os segmentos de mercado não interessantes para o negócio do ensino privado.
Nisso, como em muitas outras coisas, há muita hipocrisia de instituiçlões ditas de «solidariedade social» quase todas relacionadas com a igreja católica ou outras.

Hurtiga disse...

Claro que não é preciso contratar mais pessoal! A sinistra fará turnos e dará "uma mãozinha"...

Anónimo disse...

fugiu-lhe a boca para a verdade. Como se trata de entreter a malta, para ver se não andam por aí na rua aos caídos, então serve qualquer coisa. E se for preciso meter umas turmas de 40 também se mete. Sim porque isto de 30000 para trás ou para a frente pouca diferença faz. Para quem é m**** da basta.
Saudações
Cross

Anónimo disse...

Isto é aflitivo...
Não interessa a verdade
Pode dizer-se qualquer coisa...
Só loucos
Isto é de loucos.