20090521

Educação para a delinquência ( o caso da professora de Espinho)

Nota prévia: independentemente do juízo de valor que se faça sobre a postura pedagógica revelada pela professora, e que parece retratar uma educação autoritária e tradicionalista, importa atender a outros aspectos não menos importantes, que são referidos na crónica diária do escritor Manuel António Pina publicada no Jornal de Notícias:


«A notícia veio em tudo o que é jornal e TV: uma professora da Escola EB 2,3 Sá Couto, em Espinho - que dezenas de alunos seus consideram "a mais espectacular da escola" e uma "segunda mãe" - foi suspensa "após afirmações de cariz sexual". A suspensão foi ditada pelo Conselho Directivo depois de duas alunas terem gravado afirmações suas numa aula, alunas que, segundo vários colegas, "fizeram aquilo de propósito e provocaram a conversa toda porque sabiam que estavam a gravar".

A Associação de Pais e a DREN acharam muito bem. Ninguém, nem pais, nem Conselho Directivo, nem DREN "acharam mal" o facto de duas jovens de 12 anos terem cometido um crime (se calhar encomendado) para alcançarem os seus fins.

O Código Penal pune com prisão até 1 ano "quem, sem consentimento, gravar palavras proferidas por outra pessoa e não destinadas ao público, mesmo que lhe sejam dirigidas", punição agravada de um terço "quando o facto for praticado para causar prejuízo a outra pessoa".

Educadas desde jovens para a bufaria e a delinquência e sabendo que o crime compensa, que género de cidadãos vão ser aquelas miúdas?
»

8 comentários:

Anónimo disse...

Solidariedade para com este blogue em http://maisk3d.wordpress.com/2009/05/21/sinistra-ministra-acabar-nem-pensar/

maria disse...

É realmente preocupante pensarmos que género de cidadâos vão ser aquelas miúdas até porque têm uma professora que lhes ensina a dizer "amiguíssimos" e "dissestes"

Anónimo disse...

Este artigo é uma vergonha. Bufaria??? Tá tudo doido, já agora só falta dizer quando um professor faz queixa de um aluno por comportamento incorrecto é um bufo. Uma pessoa quando é ameaçada e chantageada e apresenta queixa da mesma é uma bufa?? Sim ouve ameaças e chantagem da professora para as alunas.
Com posições destas os professores não se dão ao respeito. Porque à mulher de César não basta ser séria à que o parecer.

Anónimo disse...

Anónimo das 19:08
"ouve" ou "houve"?
"à"? ou "há"?
Estou a ver que há por aí problemas com o verbo haver.
~Mas vamos ao que interessa: acha que o país tem que estar a julgar o caso na praça pública? Como foi que o vídeo foi para às televisões?
E depois outra questão: como se dá esta coincidência de só há pouco tempo ter havido queixas? Estava tudo bem até há pouco tempo...A professora ficou temporariamente insana e precisamente naquele dia deu-lhe um ataque? Provavelmente tudo andava no melhor dos mundos, eventualmente com a conivência de alunos e pais até ter acontecido qualquer coisa, assim pertinho do fim do ano...Uma nota negativa ou menos alta talvez? O que se terá passado? Não se interroga?
Não acha estranho o silêncio da turma durante a gravação, dados os temas abordados e os termos em que foram tratados?
E por que razão há-de estar o país a especular , a julgar e a sentenciar com base numa gravação ilegal, ilegalidade agravada por ter sido passada aos media?

Capitão de Rebordelo disse...

No Apito Dourado as escutas eram mais do que Legais e os arguidos têm sido absolvidos com base de elas serem ilegais.
No processo Casa Pia, as testemunhas não são credíveis e quiçá excepto um, todos os outros irão ser absolvidos.
Freeport...
Cova da Beira...
BPN...
BPP...
Tudo campanha negra.
Mas a professora, que não pode ser desculpada dos respectivos actos, pelos erros dos outros, já foi condenda com demissão pelos Media e pelos Políticos e pelos Corruptos.

Margarida Az disse...

Sabem do que me lembrei? Será que esta mulher é uma TITULAR?

Quase poderia apostar ...

Sabem que mais? Não me surpreende esta situação ...

Vai Sinistra! Dá-lhes!

Anónimo disse...

educação para a delação, devia ser o título...

Anónimo disse...

Eu julgo , a professora tem muita razão , não se pode ser conivente com uma mentalidade tacanha que na descoberta da sexualidade confunde e queixa-se á mãezinha de que a professora fala de orgias eetc, ouça-se o video todo .. È o portugal provinciano e mesquinho que faz da delação um valor logo a ser transmitido na família.
A professora foi maltrata por sindicatos e pela imprensa, os colegas meteram o rabo entre pernas, cobardolas , e ainda por cima é suspensa sem ser notificada . A aluna gravou com material que não era permitido , caríssimo e ainda não foi suspensa , e o regulamento interno da escola exige-o...
ImGinen a preversidade da gravação , o querer pedido de desculpas como o daquelasmães , o falar com os maridos , velho machismo existente ... Não saber dirigir-se a uma pessoa com 12 anos de escolaridade , aquela mãe ... e mais não digo ...
SE és professor amanhã serás tu !