20080408

Olha a graxa e a preparação para a reunião do dia 10 ...

PrtScn da Renascença com sublinhado meu
... a mim, não me pareceu que tivessem saído coisas importantes da reunião de hoje ... pelo menos foi o que li na informação do post anterior, o tal aviso pequenino. Feeling ...
Trata-se de um documento excessivamente genérico, sem conteúdo concreto na maior parte dos pontos apresentados e que, na questão da Avaliação de Desempenho, nada diz sobre o que o Ministério entende por "simplificação da avaliação de desempenho neste 3º período

6 comentários:

Anónimo disse...

Os professores avaliados até ao final deste ano lectivo e no próximo com "regular" ou "insuficiente" terão de ver as suas classificações confirmadas com uma nova avaliação, antes de sofrerem eventuais consequências, anunciou hoje a ministra da Educação.

"O que acontecia a um professor contratado ou do quadro com 'regular' ou 'insuficiente' é que não havia contagem de tempo de serviço para efeitos de acesso à categoria de professor titular ou de progressão na carreira. Com insuficiente poderia até sair da carreira docente", explicou Maria de Lurdes Rodrigues.

De acordo com a ministra da Educação, aquelas classificações terão de ser confirmadas com nova avaliação, a realizar no ano lectivo seguinte ao da atribuição. Se se confirmarem aquelas notas, então o professor sofrerá as consequências negativas previstas.

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1325200

Estão a gozar convosco ... pira-te, Moriae

um das artes disse...

Para perceber a ministra, só mesmo vendo o filme sobre o "avacalhamento" da educação no Rio de Janeiro, no blog O Cantinho da Educação.

um das artes disse...

E a ministra a mascar xiclete na reunião??!!
Seria dos nervos ou não estará escrito no regulamento?

Xis disse...

Por que não umas Provas de Compensação?
E já agora que as faltas não contem, também?
O ABSURDO AFINAL EXISTE!!

Anónimo disse...

Consultando o D.L. 15/2007 de 19/01, Transição para a nova estrutura da carreira Docente – artº 10º, chego a uma triste conclusão. Pois como exemplo, segundo a antiga Estrutura da Carreira, estaria se não tivesse havido congelamento, no ano de 2015 no 9º escalão no índice 299.
Com a nova estrutura da carreira (roubo), para chegar ao equivalente ao 9º escalão na melhore das hipóteses, necessito de mais 13 anos, sim mais 13 anos de trabalho.
Conclusão: Estamos a assistir a um grande roubo a todos os Professores, e nem Sindicatos nem da Oposição parecem interessados em resolver tão grave problema.
Façam também as vossas contas…
Precisamos de ajuda.


Obrigado.

Anónimo disse...

Relativamente à mensagem do anónimo da 1.15 queria acrescentar que a minha situação é semelhante, se bem que menos má, ou seja, estaria no 10º escalão da antiga carreira em 2006 e não estou devido ao congelamento. E o roubo está feito de tal forma que não mais progredirei na carreira, a não ser que concorra novamente à aberração de professor titular, o que também me foi recusado por não haver vagas suficientes. Portanto, neste momento a minha carreira chegou ao fim. Parece que ninguém se está a preocupar com isto. Afinal toda esta treta de reforma do ECD e etc. tem como fim único esta situação. Alguém quer saber de incentivos para a melhoria do sistema educativo? Quando todos eles correm atrás de dinheiro, o que é que nós temos? Temos o desinteresse dos slunos e dos pais que eles têm fomentado, condições de trabalho degradantes e humilhantes que eles também promoveram, etc. etc. etc.
E ainda há quem não perceba a situação a que isto tudo chegou. E ainda não chegaram à meta. Não tenhamos dúvidas, quem acha que não foi afectado que se prepare.