20080709

'A tia Milu'

Imagem do Kaos
"A entrevista de Maria de Lurdes Rodrigues ao Expresso repete dogmas já conhecidos e foge sistematicamente às respostas. Obviamente que hesitei no título. Esta crónica é séria, concordem ou não com ela, eventualmente incompatível com o intimismo da epígrafe. Mas aquela pose négligée, ar maroto, na foto grande, e a candura da carita pousada no dorso da mão direita, na segunda imagem, ao alto da página 25, fazem-nos lembrar, com ternura incontida, uma titi infinitamente docinha, que faz biscoitos de manteiga como ninguém.
A generosidade de Sua Excelência certamente entenderá a escolha do crítico ao abrir, assim, a análise à entrevista que a ministra da Educação concedeu ao Expresso de sábado passado. É que aquele banho de sorrisos e mãos postas (trata-se de uma das páginas centrais) tem uma relevância comunicacional inquestionável: para uns, ridiculariza a protagonista; para outros, procura salvar a "sinistra". Só os teóricos da leitura de imagem poderão aprofundar o tema.
Passemos ao conteúdo textual: sempre vazio, por vezes indigente e maldoso, muitas vezes incoerente e a arrasar a respondente com os seus próprios argumentos. Fundamentemos. Vazio, porque não tem uma só ideia nova. É mais do mesmo, repetição de dogmas já conhecidos e fuga sistemática às respostas que as perguntas justificariam. "Mas antes o sistema educativo era ou não mais exigente?" A ministra não responde. Divaga sobre a missão da Educação de hoje e de há 30 anos. Faz afirmações que só os seus pré-conceitos sustentam. A incoerência é patente. Ela, que acusa os outros de não fundamentarem e é tão avessa a considerar a opinião como algo válido, oferece-nos, tão-só, a sua, oposta à da maioria dos observadores.
Indigente e maldoso. Que poderemos pensar de duas perguntas assim formuladas: "Como podemos ter confiança num sistema de ensino onde a quase totalidade dos professores não quer ser avaliada?" "Esperava que os professores respondessem à exigência de serem avaliados com uma 'manif' de 100.000 professores?" Quem disse aos entrevistadores que a quase totalidade dos professores não quer ser avaliada, senão o seu pessoal e mal- intencionado processo de intenções? Alicerçam em quê a formulação de tal pergunta, capciosa? Servem-se de que fontes e de que factos para reduzir a zero as razões que levaram os professores à rua? É confrangedor ver um "jornal de referência" estender servilmente passadeira vermelha à resposta da Senhoria que entrevistam, manipulando grosseiramente as evidências.
Passemos a exemplos de incoerência no discurso da ministra. Como qualquer português minimamente esclarecido sabe, o Gabinete de Avaliação Educacional depende funcional e hierarquicamente da ministra da Educação. A polémica recente sobre a facilidade evidente dos exames deste ano levou a ministra a proferir declarações surpreendentes, negando um vínculo que está, obviamente, plasmado no respectivo diploma orgânico. Agora, lá lemos, preto no Expresso, referindo-se à elaboração dos exames: "Dei instruções ao instituto que os elabora no sentido de garantir que se reforçassem os mecanismos de auditoria para termos exames de melhor qualidade." Ora a qualidade define-se e naturalmente que sua Excelência a definiu antes que o seu independente Gave actuasse. Como definiu a sua inefável ajudante da DREN, com aquele providencial jeitinho para a asneira, a qualidade dos correctores (os tais que não se podem afastar da média, "porque os alunos têm direito ao sucesso").
"Como é que gostava de ser recordada?", perguntou o Expresso. "Não penso nisso. Não trabalho para a memória...", respondeu a ministra. Ou terá sido a tia Milu? É que a ministra acabou de inaugurar, no hall do seu ministério (onde, espero eu, ela não brilhará durante muito mais tempo) uma patética galeria de retratos de todos os seus antecessores. Professor do ensino superior" (Santana Castilho - Público - 20080709)

5 comentários:

Hurtiga disse...

Sobre o último parágrafo de Santana Castillo, acrescente-se, para memória futura e actual, apartir de uma notícia do "Público":

" Os retratos de todos estão desde hoje expostos no átrio do Ministério da Educação (ME), na 5 de Outubro, em Lisboa, numa espécie de reconhecimento aos que com “saber, esforço e sofrimento ajudam a construir o futuro deste país”, justificou a actual ministra, Maria de Lurdes Rodrigues

A inauguração da “galeria dos ministros da Educação” realizou-se hoje e justifica-se ainda mais “num país que nem sempre é grato, que nem sempre tem boa memória e que é pessimista”, declarou Maria de Lurdes Rodrigues, num átrio cheio de ex-titulares da pasta e ex-secretários de Estado;"

e ainda:

"Se assim for, Rodrigues entrará para a história da democracia como a ministra que mais tempo se manteve à frente da pasta. Dos 25 ministros que por lá passaram desde o 25 de Abril, só dois – Roberto Carneiro (1987-91) e Marçal Grilo (1995-99) – cumpriram o mandato. E será com “orgulho” que figurará na galeria onde estão outros governantes que não aguentaram mais do que uns meses, como foi o caso da sua antecessora, Maria do Carmo Seabra (2004-05)."

Para quem não acreditar caso tenha a memória muuuiiito curta, confira em:

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1334274&idCanal=58

Hurtiga disse...

Quanto aos bolinhos e às bolachinhas, sublime! Mas quem não as comia sei eu bem quem era...

Hurtiga disse...

Quanto à pose, caro Castillo, a cinzentona só pôde estar a gozar connosco o tempo todo!

MFerrer disse...

Muito bem. Apoiado. Vcs estão mesmo afinados.
Como estamos de censura hoje?
MFerrer

Moriae disse...

Consideramos o seu paleio do tipo: 'lixo virtual' de baixo nível e elevada covardia. Assim cada um dos colaboradores têm a liberdade de apagar o que bem entender.
Isto é um blogue ... não pense que não há limites ... há e aplicam-se na blogosfera também - por isso ... não quero ser acusada de propalar o seu tipo de discurso. Indispõe, é ofensivo e um atentado à Sinistra Ministra.

Quanto a censura, o sr. tem toda a liberdade de abrir um blogue ou escrever cartas abertas ou o que se lembrar onde muito bem entender.

Mantemos os comentários abertos a quem vier por bem. Respeitamos que não se concorde com o que escrevemos ou pensamos. Mas pretendemos manter um nível cordial de comunicação.

Muitas vezes recorremos à sátira, ao humor negro - é verdade. É uma forma saudável de expressão ... Da discussão nasce a luz. Mas consigo, meu caro, é impossível porque ofende.

Seja mais humano!

Assim, e para finalizar, mantenho que apagarei insultos. Não impediremos a entrada dos comentários mas posteriormente apagaremos se necessário. Não por medo mas por respeito - a nós, aos colaboradores e aos leitores.

Sem qualquer rancor ...
Cumprimentos,
M.