20081022

Divulgação: Participa e divulga a reunião de 28/Outubro, em Algés (ver anexos)

"A reunião é aberta pelo que se convida todos os interessados no Ensino e na defesa da Escola Pública a participarem.

Cumprimentos

Pela Comissão de Defesa da Escola Pública

Paula Montez"

8 comentários:

Anónimo disse...

MANIFESTAÇÕES, COMBATES E ATENTADOS...


Tem sido visível uma campanha, enorme, movida contra os sindicatos e os sindicalistas, principalmente os dos professores e, em especial, a FENPROF.

Foi o Governo que a lançou: limitando os direitos sindicais, limitando a participação dos professores em reuniões sindicais, penalizando profissionalmente os sindicalistas... Não resultou!

Depois, foi o discurso, que Lurdes Rodrigues e Valter Lemos tanto repetiram (e, até, o Sócrates, em 5 de Outubro do ano passado), de que uma coisa eram os sindicatos outra os professores, para criar rupturas dentro da classe e isolar os sindicatos... Não resultou de novo!

Desvalorizaram as grandiosas manifestações convocadas pelos Sindicatos de Professores. Em 5 de Outubro foram mais de 25.000 e Lurdes Rodrigues disse que não viu. Em 8 de Março foram 100.000 e a mesma senhora disse que 100.000 ou 1.000 eram, para ela, a mesma coisa. Apesar dessa desvalorização... continuou sem resultar!

Lançaram campanhas difamatórias sobre os dirigentes sindicais. Os autores de tais campanhas eram anónimos ou simples desconhecidos, referiam sempre ter fontes bem informadas e nunca diziam exactamente o que se passava, mas apenas que que os sindicalistas teriam obtido, do ministério, privilégios imorais... Ainda assim, não resultou!

Passaram a concretizar a acusação, passando a mentir: os sindicalistas iam para titulares "à borla", houve um concurso a titular (para professores que tinham estado doentes no anterior) e logo disseram que era para os sindicalistas, fez-se passar que estes não seriam avaliados... e tudo o que de mais a criatividade permitiu... e mesmo assim não resultou!

Veio o Memorando de Entendimento, que parou a avaliação no ano passado, impediu que os professores fossem prejudicados nestes dois anos, salvou a Escola Pública de, no seu momento mais importante, entrar em ruptura, já prevê a alteração do modelo de avaliação e transferiu para este ano a continuação da luta (com outras condições, por ser ano eleitoral e ser mais penalizador para o governo de Sócrates e para o PS), e logo os do costume fizeram passar a ideia de que foi o memorando que impôs a avaliação, que foram os sindicatos a aprovar a avaliação e que teriam sido estes a aceitarem-na para este ano (ideia que Lurdes Rodrigues e Valter Lemos logo aproveitaram para as suas verborreias)...

São extraordinários e inesgotáveis os recursos do poder para parar a contestação, ainda mais em ano eleitoral que se quer tranquilo... não terão ainda percebido que a sua estratégia continuará sem resultar, pois os professores compreendem que enfraquecer ou abater os sindicatos - como pretende o governo - só serve a quem tanto os tem atacado e quer continuar a fazê-lo, tentando dividir, para poder matar a luta dos professores que tem sido e continuará a ser organizada pelos seus Sindicatos.

Esta é a minha reflexão que, se estiver de acordo, poderá reenviar. Apenas decidi escrever estas linhas por já não conseguir manter o silêncio perante a canalhice que está em marcha. Carlos Silva (Professor).

Moriae disse...

Carlos Silva,

não estou de acordo e não reenvio. E penso que se está a repetir porque já li este texto num outro blogue desta equipa.

Para que fique claro, não fica bem aos sindicatos e sindicalistas armarem-se em vítimas porque ... se alguém tramou os professores ultimamente, com assinatura e tudo, foram os sindicatos.

Não entendo a postura orgulhosa e arrogante dos senhores sindicalistas e tenho a certeza de que se os seus propósitos fossem muito elevados eles, mesmo convencidos de sua razão, tentaria chegar a muitos de nós que sempre estivemos do seu lado. E a todos os professores, na verdade ... Que coisa!

De qualquer modo já devem ter percebido que toda a gente perde com a atitude deles e sim, quem está no terreno tem mais a perder ... mas, há pessoas que não se vendem por um mal menor ...

Cumprimentos sem grande paciência

Anónimo disse...

Realmente tu estás no terreno. Tens uma moral para falar pelos sindicatos.

Anónimo disse...

Tantas vezes vai o cântaro à fonte até que lá fique uma vez.

UMA ESCOLA, UM AUTOCARRO, DIA 15 DE NOVEMBRO, TODOS EM LISBOA (e os sindicatos podem juntar-se também a nós).

Anónimo disse...

Tantas vezes vai o cântaro à fonte até que lá fique uma vez.

UMA ESCOLA, UM AUTOCARRO, DIA 15 DE NOVEMBRO, TODOS EM LISBOA (e os sindicatos podem juntar-se também a nós).

Moriae disse...

Estive no terreno 13 ou 14 anos sem parar. Publiquei artigos, fiz mestrado (sem estatuto de trabalhador estudante e com Muito Bom), dei formação (formação de formadores), especializei-me em Ed. Especial, formei-me em musicoterapia (curso de anos a sério não as balelas que por aí se vêem). Devo ter feito mais coisas mas penso que já esta informação, dedicada a um anónimo cobardolas, é pérolas a porcos...

Não tenho moral por ter tido um cancro e estar de baixa para tratamentos?

Francamente ... Tornem-se pessoas dignas!

Moriae disse...

Tenho moral para falar como professora e tb como associada do SPRC durante esses anos todos e ainda Delegada Sindical durante um ano até não poder mais ...

Moriae disse...

E como professores, a maioria dos sindicalistas podem falar???