20090731

PORTUGAL: CAMPANHA ELEITORAL PERMANENTE NUM PAÍS EXAUSTO

Existem indícios suficientes sobre os dinheiros dos cofres públicos serem malbaratados há largo tempo, pelas equipas de turno que têm vindo a «gerir» a Portugalândia.

A «política» nesta terra, resume-se a alguns maduros pretenderem mostrar que - eles sim - seriam os impecáveis e incorruptíveis gestores da coisa pública, denunciando as traficâncias dos que estão no poder. Assim, logo que estejam no poder, poderão retomar a roubalheira, fazendo beneficiar filhos e afilhados.

A única sanção grave para os prevaricadores, mesmo os menos astutos, é serem preteridos nas listas eleitorais no ciclo seguinte eleitoral, pelo chefe do seu respectivo partido. Portanto, irão encher os bolsos, encher o bandulho até rebentar, não vá a coisa descambar para eles, não podendo continuar a comer do tacho na próxima legislatura.

Este despilfarro passa-se a todos os níveis do Estado, quer ao nível central ou das autarquias, quer nas mais altas figuras do Estado e suas cortes respectivas, até ao «director-geral» e abaixo.

Um curioso estudo, surgido há poucas semanas, indicava que o Estado português poderia fornecer serviços (de saúde, educação, segurança social, etc.) com a qualidade de uma Finlândia, se não fosse a enorme onda de corrupção que o atinge.

Evidentemente, tal estudo evita explicar o que causa a corrupção: a sequela de algo bem mais profundo e que não tem a ver, nem com um «défice moral» intrínseco ao povo português, nem - muito menos- com qualquer herança genética.

A continuada decadência do Estado, das instituições e também das classes que o suportam e dele se aproveitam tem uma explicação lógica claríssima. Este país foi um vastíssimo império desde há dois séculos transformado em neocolónia (com o assentimento e participação das sucessivas gerações da classe dominante: alta aristocracia, burguesia industrial, burguesia financeira...), pelo império britânico, do século XIX até hoje, sendo participantes, partir do século XX, outras grandes potências europeias continentais e os EUA.

No que toca à UE (aos países ricos desta), é notório o papel de potência colonizadora desde 86:
- destruição dos recursos alimentares autóctones (agricultura e pescas)
- destruição da indústria tradicional, virada para satisfazer o mercado interno
- criação de uma indústria de tipo «maquiladora» para servir as multinacionais.
- enfraquecimento da população autóctone, negando-lhe serviços e bens de saúde essenciais, apesar de uma das mais altas taxas de impostos e de descontos para a segurança social, se comparadas com o PIB per capita, da Europa e do mundo.
- manutenção do todo um sistema clientelar que faz obstáculo permanente a quaisquer decisões bem-intencionadas.
- manutenção de um estado de ignorância com a massificação do «espectáculo rei», destronando quaisquer preocupações sérias, melhor, sendo o escape obrigatório para as gentes não se angustiarem com as coisas sérias, deixadas para os «senhores que sabem»!

E a lista poderia continuar por muitos e muitos itens.

Face a este estado de coisas, curiosamente, tanto à esquerda como à direita, em todo o espectro político, a única e exclusiva preocupação é «agarrar» o eleitor, fazendo uma campanha destinada a «fazer passar a mensagem» de que «se votares no partido X, terás de certeza isto e isto e mais aquilo».

Um exemplo típico disso vem no programa eleitoral do PS, partido socratoíde, ao decretar que haverá uma chuva de benefícios, desde um subsídio universal de nascimento (200 €, uma fortuna!), apenas resgatável quando a criança perfizer 18 anos (paciência se tiver o azar de morrer antes!), reforço das ajudas para famílias monoparentais (sobretudo, muitas divorciadas ou separadas com filhos menores) até à generalização de bolsas de estudo para o ensino secundário.

Tudo promessas sem qualquer consistência, pois implicariam, a serem seriamente aplicadas e abrangendo a totalidade dos grupos considerados, uma subida enorme das despesas do estado com a Segurança Social, para as quais não haveria obviamente contrapartida de receitas.

O «macaco de rabo pelado» Alberto João Jardim disse, com ironia, que eles deviam aplicar já essas medidas, pois nada os impedia de o fazer. Com efeito, sendo eles a maioria absoluta, poderiam ter há largo tempo obtido a fácil aprovação do parlamento para tais medidas.

Ao atirarem com essas medidas em campanha eleitoral, como bôdo aos pobres e à classe média, estão simplesmente a desprezar o povo português, que poderá ter sido enganado frequentemente, mas não é colectiva e generalizadamente estúpido!

Porém, à direita do PS, aquilo que vem ao de cima, é reflexo do marasmo que reina no maior partido da direita/direita, o PSD. Não existe uma única ideia-força sobre a governação, não se descortina que propostas muito inteligentes e originais, irão produzir no seu programa eleitoral de governo.

De qualquer maneira, os políticos sabem que os programas eleitorais - e mesmo os programas de governo- são para rasgar e lançar no cesto dos papéis, à primeira ocasião, assim que for conveniente para a governação, para se manterem no poder.

À esquerda do PS, as coisas também não parecem minimamente encaminhadas, pois tanto a CDU como o BE, globalmente, propõem mais do mesmo: ou seja, a mesma política reformista, o mesmo estilo de «partidos de protesto», o mesmo uso das autarquias captadas para o respectivo partido, para fazerem - em pequena escala - o que os outros fazem à escala do país inteiro.

Mas, sobretudo, nunca por nunca, se irão entender num programa comum, preferindo a querela ao nível dos sindicatos, das autarquias e, por vezes, em frente dos holofotes da comunicação social. Para manterem as bases bem separadas, brindam-se periódica e reciprocamente com diversos epítetos, mimos esses destinados a mostrar quem detém a hegemonia na classe trabalhadora!

Confrangedor... pois eles são também integralmente responsáveis pelo facto da classe no poder ter as mãos livres para fazer o que muito bem quer e entende, neste «cantinho à beira mar plantado», para ir lixando a classe trabalhadora.

Uma oposição de esquerda reformista a sério, até seria benéfica no curto prazo para os trabalhadores, embora isso não se traduzisse pela mudança estrutural do regime, mas apenas numa evolução em sentido menos desfavorável.

Infelizmente, para fazer uma política reformista a sério é preciso mais do que boas intenções. Nem PCP, nem BE, têm isso. Ambos mostram uma grande falta de vontade objectiva. Porque, apenas em coligação, poderiam ser um desafio capaz de mudar algo, capaz de se submeter à prova da governação, pelo menos, em municípios onde a sua aliança teria uma maioria!

Mas disso, eles fogem «como diabo da cruz», revelando assim as suas verdadeiras intenções: bem podem os militantes de base destes partidos sonhar, os aparelhos respectivos continuam o braço de ferro para alcançar a tal primazia de vanguarda iluminada da classe trabalhadora!

Isto seria cómico, se não fosse trágico: é que a maior central sindical (CGTP) é arrastada - há anos- para uma política de inconsequência, de grande fogo-de-vista, mas com uma acção no terreno, ou completamente ausente (onde estão os militantes sindicais nos momentos em que é preciso?) ou em que organiza a capitulação face ao patronato e ao estado, em vez de organizar a luta, a resistência e a capacidade reivindicativa, em vez -em suma- de acumular forças para um combate de classe, sempre desigual para a classe oprimida.

Temos, portanto, os dados lançados: o país vai continuar a afundar-se, a tornar-se mais dependente, mais clientelar, mais corrupto (consequência e não causa) por mais uns bons anos, com a colaboração activa de toda a casta política - querendo isto dizer: os que detêm responsabilidades no aparelho de estado (cargos eleitos ou de nomeação política) e ainda os que detêm cargos directivos nos aparelhos partidários.

Por detrás deles, sempre a controlá-los, encontra-se uma outra casta, que mexe os cordelinhos do dinheiro e não está disposta a gastar em vão o seu pecúlio. Os grandes empresários industriais, os donos e gestores da finança (banca, sociedades financeiras diversas, seguradoras...), os capitalistas estrangeiros, com interesses ou com vistas nos despojos desta terra.

Ambas as castas, política e dos negócios, contam com a colaboração prestimosa da UE, da NATO, da OCDE, possuíndo cada uma, catrefa de «técnicos» sempre prontos a parir um parecer jutificando tais ou tais medidas, de cunho neoliberal!!!

Alternativas? - Sim, existem, partem do princípio que temos de nos unir na base, não em torno de ideologias, mas em torno da resolução dos problemas concretos. Surgirão soluções, necessariamente, quando as pessoas deixarem de ter medo e constituírem assembleias, auto-convocadas, realmente de democracia participativa, ou seja, assembleias onde as pessoas se regem por uma lógica de base, sem representantes, mas com mandatos sempre definidos e controlados, com possibilidade de serem retirados a qualquer momento.

Manuel Baptista

4 comentários:

Luta Social disse...

leia versão corrigida em
http://www.luta-social.org/2009/07/existem-indicios-suficientes-sobre-os.html

Anónimo disse...

Aplicar medidas? Já começaram há um mês atrás. Olha esta:
O problema nem será só estarmos na Escola mais 30% do tempo. Se fosse isso, do mal o menos. O grave problema é que esse tempo não conta para efeitos de aposentação. Isto é: se estiveres num sindicato com dispensa total da componente lectiva, poderás aposentar-te com o vencimento por inteiro aos 52 anos de idade e 32 de serviço. Se fores professor do 2. ou 3.º Ciclo só aos 65 anos e 36 de serviço, por teres beneficiado da redução à componente lectiva. Parece impossível num Estado Direito... O problema é que estes "diabos" entortaram o Estado.

Anónimo disse...

epa ... saiam do barco ou assumam-se! afinal de contas quem é o administrador da sinistra?

mais tarde ou mais cedo vai-se saber.

Anónimo disse...

Vamos para tribunal!
A maior piscadela de olho nem sequer é a história do concurso para titulares. Tem passado ao lado de muita gente por estar dissimulada quanto basta. Diz respeito ao bonús da aposentação sem penalização com 52 anos de idade e 32 de serviço. Deveria ser pra professores de 1.º Ciclo em monodocência pois o regime especial de aposentação foi criado para quem não usufruiu, ao longo da carreira, de reduções à componente lectiva. Mas...! e este mas poderá levar muitos professores de outros ciclo a recorrer aos tribunais (especialmente os que viram cortes brutais no vencimento por aposentação antecipada), pois a marosca está prometida para quem teve reduções enormes ou totais à compenente lectiva. A saber: (Presidentes e vice-presidentes dos C. executivos: dirigente sindicais, com redução parcial ou total; destacados em vários serviços do ME... Isto quer dizer que um professor dos 2.º, 3.º ciclo ou Sec, que recorra ao tribunal terá seguramente direito a indeminização. Fiquem atentos. Redução total não penaliza, redução de duas, 4 ou 6 horas penaliza brutamente. Que País é este?!!