20080509

Absolutamente encantador: Hino à Sinistra Ministra

Imagem dali [!]


Loas à ministra


Em Maio aqui cantamos Em Maio aqui cantamos,
Erguemos bem alto o punho
P'ra dizer o que pensamos.
Erguemos bem alto o punho
Pr'a dizer o que pensamos.

Ó Lurdecas vai-t'embora,
Ó Lurdecas vai-t'embora,
Vai por ora ver se chove
E depois daí pr'a fora.
Vai por ora ver se chove
E depois daí pr'a fora.

Esta gente não é crua,
Esta gente não é crua,
Vais ter de sair daí
Nem que tenhas d'ir de grua!
Vais ter de sair daí
Nem que tenhas d'ir de grua!

Nem que tenhas d'ir de grua,
Nem que tenhas d'ir de grua,
Nós em casa não ficamos
'tamos outra vez na rua!
Nós em casa não ficamos
'tamos outra vez na rua!

És dada ao diz-que-disse,
És dada ao diz-que-disse,
Havias de partir agora
Pr'onde ninguém mais te visse!
Havias de partir agora
Pr'onde ninguém mais te visse!

Nós não gostamos de ti,
Nós não gostamos de ti,
Abala pr'a Finlândia
Vai pr'a lá fazer ski!
Abala pr'a Finlândia
Vai pr'a lá fazer ski!

Vai pr'a lá fazer ski,
Vai pr'a lá fazer sku,
Mas eles é que não querem
Uma espécie como tu!
Mas eles é que não querem
Uma espécie como tu!

Tu tens olhos de sinistra,
Tu tens olhos de sinistra,
O teu olhar não engana
E tu não dás pr'a ministra!
O teu olhar não engana
E tu não dás pr'a ministra!

Acordo ou entendimento,
Acordo ou entendimento
Palavras soltas no ar,
É tud’o mesm’excremento!
Palavras soltas no ar,
É tud’o mesm’excremento!


Em Abril aqui cantamos,
Em Abril aqui cantamos,
Erguemos bem alto o punho
P'ra dizer o que pensamos.
Erguemos bem alto o punho
Pr'a dizer o que pensamos

Por Maria José, 9 de Maio de 2008 17:48 , em A Sinistra Ministra

Nota: de acordo com a autora (aqui), "os versos, devem ser cantados com a música das janeiras (se quiserem com o "pamperipam" pelo meio".

4 comentários:

Anónimo disse...

Eutanásia política!

Moriae disse...

Caro anónimo,

e que tal 'elestanásia'?
Bom fim-de-semana,
M.

Maria José disse...

Referir-se-ia o "sr. anónimo" a uma qualquer forma de crime? É que se fosse isso eu não teria feito os versitos...IA MESMO COMPRAR ESTRIQUININA!

Anónimo disse...

CONDOR
Quando a ventania te fustiga
E a voz do trovão te abalroa;
Quando as vagas te batem na proa
E a tempestade não se mitiga,
Porque temes a fúria inimiga,
Porque te encolhes, professor,
Se possuis nas nervuras da mão
A força bruta de um tufão?

Quando vês a seara ameaçada
Pela pulha praga predadora,
E a tua lide geradora
Se agiganta multiplicada,
Porque choras na eira estragada
Porque te conformas, professor,
Se possuis nas nervuras da mão
A energia que brota do chão?

Quando o labor do teu longo dia
Se confunde com a noite escura,
E a cava voz da conjuntura
Te acusa de ócio e de abulia,
Porque atrofias a rebeldia,
Porque consentes, ó professor,
Se possuis nas nervuras da mão
A seiva da nova geração!

Tu, que trazes cavadas no peito
As fundas chagas da humilhação,
Porque aceitas essa condição?
Porque choras o trilho desfeito
E te anulas num nicho sem preito?
Porque te curvas, ó professor,
Se possuis nas nervuras da mão
O tal respeito que te não dão?

Porque receias, ó professor,
Ser livre e voar como um condor?

Luís Costa - Dardomeu


Publicada por Carlos Pereira em 15:17:00 0 comentários
Etiquetas: A DIGNIDADE ESTÁ NAS NOSSAS MÃOS...
SÍTIO


retirado de
http://mobilizacaoeunidadedosprofessores.blogspot.com/

SÓ FALTA A MÚSICA, ALGUÉM A CRIA?