20080519

Os números da FENPROF são sempre engraçados!

Na sequência de Visões, pesadelos e alegorias do 17 de Maio em Portugal (2008) , hoje, os números da FENPROF:
Nota: A imagem que se apresenta é um PrSc da página inicial do site da FENPROF mas, acrescentei-lhe um amarelo e um vermelho.
"Estas manifestações juntaram vários milhares de docentes. Cerca de 2000 em Lisboa, igual número em Coimbra (...) e várias centenas no Porto e em Évora gritaram bem alto que (...)" (FENPROF)
Para avivar a memória, relembremos os números apresentados pelos media:

- "(...) a manifestação de professores no Porto com reduzida participação (“pouco mais de 300 pessoas”), tal como em Coimbra (ler aqui) Évora, Lisboa." (Público)

- "A manifestação de professores marcada para este sábado na baixa do Porto, em simultâneo com iniciativas idênticas em Coimbra, Lisboa e Évora, não registou grande adesão dos docentes, reunindo pouco mais de três centenas de pessoas, noticia a agência Lusa. " (Portugal Diário)

Finalmente, alerto para a Moção aprovada nas Manifestações pelos poucos colegas que saíram à rua (convêm não esquecer que os sindicatos têm poder para decidir a nossa vida). Ainda neste contexto, penso que seria de bom tom os representantes dos professores declararem, por sua honra, que não assinarão mais nada nada que vá em contrário ao que foi acordado na recente moção ...

14 comentários:

professora disse...

Em Lisboa não houve três centenas de certeza absoluta. Eu estive lá e os meus olhos viram a avenida Fontes Pereira de Melo cheia de gente. Não era, certamente, nada que se parecesse com 100 mil,´mas os números da comunicação social também não batem certo.

Anónimo disse...

Todos estes comentários vêm do PSD.Enquanto tiveram esperança da não avaliação, ainda se juntaram aos comunistas da FENPROF, mas agora zangaram-se quer com os comunistas, quer com os socretinos.Só fal começarem com a campanha do candidato!Deve ser o competente do Santana, ou a Ferreira Leite(terão que engolir as graçolas acerca da Lurdes)!Sim, porque se fôr o Passos, adeus sector público, adeus ao ir para a escola pública e nada fazer.

Moriae disse...

anónimo,

refere-se a quê?
sinceramente ... os sindicatos mentem e chama-lhe PSD?

olhe, até sou libertária e por isso detesto partidos e política.

Anónimo disse...

Não me refiro aos sindicatos.Refiro-me aos professores que,apoiaram os sindicatos(não doigo vice-versa, que precisam de tachos....

Maria José disse...

Colegas,

A minha paciência transbordou tal como um copo já cheio. E a vossa?

Mesmo que não sejamos nem metade nas ruas, não tenhamos medo e voltemos para lá. Se os sindicatos se quiserem juntar a nós, que venham.

As nossas bandeiras?

Qualquer trapo negro servirá para denunciar:

- o ultraje;
- o compadrio;
- a mentira;
- a fome de muitos dos nossos alunos;
- ...

Quem está disponível a dar um dia de um fim-de-semana, ou melhor ainda, um dia das suas férias para esta acção?

Não esperemos até Setembro!

Vamos provar que temos dignidade e que queremos que no-la reconheçam!

Vamos provar que, se formos até Lisboa, tivemos de dar de nós, não vamos para ver a bola!


Maria José (MUP)

Retirado dehttp://mobilizacaoeunidadedosprofessores.blogspot.com/

Maria José disse...

Falta:

COPIA ESTE LINK OU ESTA MENSAGEM E ENVIA-A POR E-MAIL AOS TEUS COLEGAS! NÃO HÁ TEMPO A PERDER!

ribeiro disse...

Moriae,

Confirmando,
"sou libertária e por isso detesto partidos e política".
Ser libertária e detestar partidos é um pouco complicado tirando o facto de se ficar um pouco amarrado ao "partido dos libertários".
Mas muito mais complicado é dizer que se detesta política num acto por si só genuinamente político.

Para não me alongar em demasia, e citando Brecht, estamos perante um acto de pura ignorância política.

Serão sinais de alguma "modernidade" é certo, mas não deixam de ser preocupantes, e lamentáveis.

Com os melhores cumprimentos,
deste ser, felizmente, político.

Moriae disse...

ribeiro, vá à merda.
é o desejo desta anarca apolítica.
longe vão os tempos das polis e de um outro significado ideal para esta ideia de se ser político. nessa altura, haviam escravos e poucos poderiam votar. os cidadãos... a grécia ... a política. não estou bem a ver quem é o ignorante aqui.

ribeiro disse...

Moriae,

Portanto agora já é uma "anarca apolítica".
Quanto ao ignorante, se me permitir, humildemente desempenho essa personagem.
Longe de mim pensar sequer, que tudo sei.Esse papel está reservado para os iluminados, coisa que eu não sou de certeza absoluta.
Mas permita-me uma interrogação:
Quando se define como "anarca apolítica", posso deduzir que não participa na votação aquando das eleições.Certo?
Se apresenta como elemento civilizacional diferenciador o facto de poucos escravos terem direito a voto na polis, em que é que a sua atitude se diferencia dos escravos da época?

Quanto ao que me pede, como não me pediu devidamente, não fui.

Cumprimentos

Moriae disse...

Lembro-me de si ...

Mário versus Manuela. Aparece em momentos de crise ou delicados associados ao Mário Nogueira, PC, poder nos sindicatos.

Ora, se não foi à **** fez bem.

Sobre mim, não tem qquer hipótese de saber o que faço em momentos de votação. e pelos vistos não sabe uma data de coisas mas tb não lhas vou explicar porque já o percebi 'esperto' e com uma missão qquer.

sobre os gregos e 'elemento civilizacional diferenciador' nem percebi mas deve ser ignorância minha. realmente não estudamos nas mesmas escolas nem tivemos os mesmos mestres e muito menos partilhamos conceitos ou ideais. e finalmente, parece-me que sabe pouco da grécia antiga e do berço da dita democracia, feita, à semelhança de hoje, por 4 ou 5.

estou farta de gente assim. prefiro que não apareçam por aqui e não me sinto obrigada a ter um discurso articulado, didáctico.

acho que nunca 'mandei' ninguém à **** com as letras todas neste blogue e até noutros. ou será a segunda vez que o faço?

m.

ribeiro disse...

Moriae,

Pelos vistos lembra-se de mim.

É bom sinal.
Significa que independentemente da anarquia que diz perfilhar, está atenta.

E se está atenta verificará que nenhum dos dois comentários que fiz foram insultuosos para si.
Nem manifestei qualquer tipo de insinuação de pretensa superioridade moral,intelectual ou outra, ao dizer com algum enfado
" estou farta de gente assim..."
Fico a saber que prefere os discursos desarticulados e não didácticos.
Bastante inteligente, esta sua opção,liberta-a de responsabilidades e permite-lhe uma liberdade discursiva sem limites. Disparates incluidos.
Quanto ao número de vezes que eventualmente mandou alguém à merda não sei, mas fico contente por ter contribuído para as estatísticas.

Cumprimentos

Moriae disse...

Estou realmente farta de mangas de alpaca.
entendo que quando aparecem é porque são necessários. No caso significa que os sindicatos estão incomodados, acho bem que o estejam.
Rever a atitude seria o ideal.
quando a mim, Moriae, fico contente por se sentir contente por o ter incluído nessa estatística. uma coisa é certa, é muito mais verdadeira do que os números que os professores têm lido ... tema do post.

ribeiro disse...

Moriae,

Confesso que por momentos pensei
que viria um pedido de desculpas.
Em vão.
Em vez disso passei a ser "um mangas de alpaca".
Estranha forma de vida.

Cumprimentos

Moriae disse...

'estranha forma de vida' - de acordo...